domingo, 11 de março de 2007

Fotógrafo tarado ...


Enquanto namorava, costumávamos ir para as praias da Costa (Fonte da Telha, Praia do Rei, Rainha, etc.) mas depois de casarmos, optámos pelas praias da linha de Cascais e Guincho. Íamos com um casal amigo ou com os nossos padrinhos e por lá passávamos todo o dia, almoçando quase sempre no mesmo restaurante, onde era frequente encontrarmos um casal conhecido do padrinho. Era uma dupla estranha, com hábitos fora do comum. Não se davam com ninguém, viviam sós e tinham um daqueles caniches tipo "lulu" que não os largava nunca e que mais tarde percebi ser o único elemento normal da "família !!!

O Doutor "Hilário", chamemos-lhe assim, era um dentista que nunca ninguém via sóbrio, mas um profissional irrepreensível, aplicado e muitíssimo eficiente. Além disso, tinha um extraordinário jeito para a condução, levando-nos a suspeitar se a viatura, um velho NSU, não estaria equipada com "piloto automático" que a conduzisse sem a sua intervenção, já que mesmo a cambalear, enfiava-se no carro e conduzia-o com uma perícia incrível! Víamo-lo às vezes de longe aos zigue-zagues na estrada, mas depressa acertava a "agulha" e sem consequências de maior, para além de um ou outro susto que causava à Alicinha, chegavam sãos e salvos ao destino.

Esse amigo dentista, herdara um moinho transformado em habitação perto da Malveira da Serra, que mantinha fechado, desleixado, quase em total abandono. Sempre que nos encontrava, puxava da chave e insistia para que passássemos ali uns dias.

Num mês de Agosto cujo ano já não recordo, aceitámos e lá fomos os 5: eu, o meu marido, os padrinhos e o filho deles, um jovem de 18 anos. Lá nos instalámos na esperança de passarmos 2 semanitas em sossego, longe do reboliço da cidade. Tínhamos praia perto e a serra a 2 passos, podendo fazer passeios a pé, e nos dias mais ventosos,enquanto os homens tratavam dos arbustos, tornando o espaço mais agradável, nós aproveitávamos o sol, junto ao tanque que servia de piscina.

Como o casal era muito solitário, entendemos por bem convidá-lo pelo menos uma vez para almoçar connosco na casa que amavelmente nos cedera. Ainda me lembro da seca que foi esperá-los, empoleirados nos pinheiros que circundavam o moinho ou em pé nos bancos junto ao muro que vedava a propriedade, almoço pronto, estômagos a dar horas, olhos fixos na estrada e dos visitantes nem sinal! Acabaram por chegar já próximo das 3 da tarde e imediatamente nos apercebemos de que já não vinham sós ... "trazia também a cadela", como dizia o padrinho eheheh
Lá almoçámos todos, à excepção do filho dos padrinhos que não tivera pachorra para os esperar, almoçara sozinho e partira de moto para o Estoril onde a namorada o esperava. A nós cabía-nos uma árdua tarefa nos aguardava ... ajudar a curar uma ressaca.

Ressaca que não chegou a existir, já que depois de almoço, o Doutor Hilário começou servir-se de bebida atrás de bebida e a certa altura apareceu com uma máquina fotográfica que começou a disparar sugerindo, dirigindo-se primeiro à sua companheira Alicinha que devíamos vestir o bikini. Depois ... obviamente ... com o calor que fazia, por que eu não o fazia também???
Lembro-me que o fiz não tanto por vontade própria, mas porque os bêbados são tão insistentes que não adianta contrariá-los. E assim, durante toda a tarde, sob o olhar condescendente do meu marido, o aplicado "fotógrafo" disparou "n" vezes na minha direcção. Os homens, trocavam olhares maliciosos e incapazes de se conter, largavam gargalhadas, que felizmente eram abafadas pelo ruído dos motores dos carros e motorizadas que circulavam na estrada próxima.











O "fotógrafo" ia sugerindo diversas poses, enquanto tecia elogios aos meus atributos físicos, na altura com cerca de 25 anos, dizendo que resultaria dali um excelente trabalho artistício! Nunca tive paciência para aturar bêbados e nem sei como suportei ouvir tanta vez "olha o passarinho"!!! Ainda fiz alusão ao exagero de fotos e respectivos custos, mas ele sossegava-nos, dizendo que ele próprio faria a revelação, que só aproveitaria as melhores e nos daria cópias!!!




Algum tempo depois, fui ao seu consultório. Partira um dente em miúda e ele fez-me uma impecável correcção (implante-pivô) que hoje, 25 anos depois, continua perfeitíssima. Lembro-me de ter passado o tempo todo agarrada à cadeira aterrorizada, com a assistente (a Alicinha) ao lado a tranquilizar-me.

O melhor da estória: Quando lhe perguntei pelas famosas fotos, notei alguma atrapalhação e foi a Alicinha que me segredou que ele se esquecera de usar rolo na máquina ... ganda pulha!!! Agora até acho alguma piada, mas na hora fiquei capaz de o esganar!!!

Nota: Suponho que o "Doutor Hilário" já tenha falecido ... oxalá que onde quer que esteja continue a desfrutar das coisas boas de que tanto gostava :d)

16 comentários:

Laura disse...

Eh moça linda..ehhhhhhhhhhhhhhh, mas que partida aquela, sem culpa claro..e só a trabalheira para fazer posses ehhhhh e o pobre do fotógrafo todo empertigado..e no fim, quando esperavas ver ali uma suposta candidata a mis fotogénica, que poderia sair em capas de revista..Zás..a maquineta não tinha aquelas letrinhas pequeninas que nos avisam de que o rolo não estava lá...Boa ..boa, e que riso me deu...

Anónimo disse...

Hi..

You are beautiful....

viewing at sides... wonderful... boosting and arousing...


I Love at sight....

adrianna disse...

Laura, a cena passou-se tal qual descrevi, pecando talvez por defeito, já que assistindo ao vivo e a cores era mesmo de morrer a rir.
E é claro que nunca houve intenção de fotografar nada nem ninguém! Ele sabia perfeitamente que a máquina não tinha rolo, embora de tempos a tempos se afastasse alegando substituir o dito cujo eheheh
E acredito agora que a Alicinha estava por dentro da jogada.
Era um sessenção bem malandreco, este dentista.
Mas, embora na altura tenha ficado fula, hoje até acho uma certa graça.
1 beijinho

adrianna disse...

Há mais uma ou duas cenas com este doutor. Uma das vezes que acietámos passar por lá, estando ele como sempre "com a dita cadela", nós deixámos o nosso carro quase novo, um Fiat 127, junto ao muro, fora da propriedade.

O Doutor fez questão de o meter na garagem que ficava ao cima duma rampa. Um pouco contrariado o meu marido lá lhe cedeu a chave e ele próprio o levou.
Pouco depois ouvimos um ganda estrondo!!! Era um farolim a estalar. Tinha calculado mal a distãnmcia e ... zás!!!
Daí que nós achássemos k a viatura dele devia ter "piloto automático" eheheh

adrianna disse...

Hoje está um dia estupendo. Acho que vou arejar ... talvez até à beira mar.
1 beijo

adrianna disse...

Ainda queria dizer que de vez em quando passo na estrada, perto do moinho.
Parece agora bem cuidado e no espaço à volta (mais de 2500 m2) há novas construções.

Na altura mostrou vontade de se desfazer dele e nós te-lo-íamos comprado, mas um embróculo qualquer com outro herdeiro tornava o negócio complicado. Suponho que isso se tenha resolvido, mas sinto saudades sempre que ali passo.
1 beijo

david santos disse...

Olá!
Não está mal empregado. Queria fotografar coisa "boa", segundo ele, mas o rolo, foi-se.
Parabéns

Jotabê disse...

OLHÓ PASSARINHO!

(CLIC)

:)

há estórias realmente muito engraçadas.

beijoca

adrianna disse...

Pois foi, David santos
Nem lhe levo a mal. Na altura era jovem e menos tolerante, mas entendo. Claro que entendo.
1 Beijo

Laura disse...

O engraçado é que o senhor tinha piloto automático no dele e fez questão de não por no vosso..ehhhh e pumba, errou a pontaria ehhhhhhh. Tem cada ser humano mais engraçado e andava assim na maior e quase semrpe bebido..coitado..calhar lá onde está no mundo que lhe calhou..continua a ter que beber..e calhar também já veio pedir perdão a ti por não ter rolo na máquina, ai o maroto..Tadinho..

Laura disse...

Já fui ao anjo deixei recado, mal chegue amanhã (ele aos fins de semana vai pa outras bandas, ou não tem o pc à mão de semear..e transforma-se numa criatura qualquer..eu já o vi..é um barato ehhhhhhh.....
Mas mal chegue ao escritório do céu, ele entra logo em contacto com as ninas para vos dar um grande enxerto de porrada, porque anjos não podem ter muiés atrevidas atrás deles..senão..não ficam na terra e serão chamados para aturar as anjas de verdade lá em cima...

efvilha disse...

Que roubada miragem!

Por isso não me convencem que o bêbado não sabe o que faz.
Esse "Hilário", nome de muito propósito se isso não te magoa, saciou o estômago com o almoço, talvez tenha embotado um pouco a mente com a bebida, refestelou os olhos com a escultura viva e feminina.
Ladino, o dentista. Se houvesse filme na máquina, teria de interromper a seqüência para trocar o já consumido. Sem filme, realizou o milagre da multiplicação. Belo feito, embora tenha te deixado furiosa.

O melhor do meu cordial abraço.

adrianna disse...

Nem eu pretendo convencer-te do contrário, efvilha!
Conheci um "bêbado" que deixava tudo o que era importante para resolver sob o efto do alcoól pq dizia:

"agora é que estou de posse da minha inteligência toda"! eheheh
Gostei que tivesses passado por cá.
1 beijo

adrianna disse...

O dentista, aliás o casal era mto cómico. Ele, um sujeito magro, calvo, usava daquelas lentes grossas ... ela, baixinha, gordita, usando um chapéu com umas grandes abas que lhe escondia a cara e sempre sem largar o seu "lulu" eheheh

Comunicavam através de olhares, mas por vezes, sobretudo ele, inspirava-nos dó.
Era difícil manter-se uma conversa com ele, pois estava permanentemente sob o efeito do álcool.

africana disse...

haahahahahahaaah, de repente lembrei-me que fiz uam figura igual e juro que não estava sob o efeito do álcool!Numa ida a Fátima, peguei na maquina fotográfica e aqui vai disto!fimei,filmei,filmei e quando de regresso a casa nos sentamos no sofá para nos deleitarmos com a filmagem...só ouvimos as vozes..cadê o filme?!Que aconteceu??..Fomos buscar a maquina para perceber o que tinha corrido mal...cheguamos a conclusão que me tinha esquecido de tirar a tampa da objectiva....e juro que não tinha bebido!Vêem!Se calhar se o tivesse feito, tinha-me lembrado desses passos todos!

adrianna disse...

eheheheheh Nina afdricana
é impressãom minha ou a menina está a tentar desculpar o Dr. Hilário? eheheheheh
Não!!! aquele maroto não se esqueceu, até pq mais de uma vez de deslocou ao carro com o argumento de ir mudar o rolo.
Esquecimentos todos temos e esse que referes tam o seu lado divertido, emborma fosse capaz de apostar que na altura não teve assima tanta graça