terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

Dentadinhas diabólicas...


O Sol rompeu quente e brilhante na manhã de Terça Feira carnavalesca, convidando à aventura. Libertei-me dos lençóis e edredon em que me mantinha enroscada e no mesmo instante pulei da cama. O grito que a seguir se ouviu, mais parecia vindo de um prisioneiro, a quem tinham acabado de soltar as amarras:

- É carnaval! Hoje não ficarei em casa. Quero ir sambar!

Seguiu-se um saboroso banho de espuma, enquanto ia arquitectando um plano e delineando toda a tramoia, saboreando já por antecipação o prazer da diversão a que me propunha.

A fantasia escolhida assentava-me que nem luva! Parecia feita por encomenda! Sentia-me, aliás sinto-me sempre, um pouco endiabrada, mesmo sem necessitar enfiar-me dentro duma fatiota assim ... está-me na veia ... dizem-me que tenho "sangue na guelra" eheheh
A minha "primeira vítima" foi um vizinho que, não me reconhecendo, não resistiu a dar-me um apalpão no traseiro enquanto nos cruzávamos. De imediato me atirei a ele, dando-lhe sucessivas dentadinhas no pescoço, deixando-o quase em transe, gemendo:

- Mais ... mais, please, minha Diabinha!!! Implorava-me.
Sem lhe dar ouvidos, segui o meu caminho. Em breve me via, sassaricando misturada no meio da multidão, tentando vislimbrar o próximo candidado a mais uma ferradela.
A meio da rua, um luxuoso BMW de um preto muito brilhante, acabara de se imobilizar. No seu interior, o único ocupante preparava-se para se apear, tencionando certamente seguir o cortejo que descia a rua junto da viatura. Apressei-me a barrar-lhe a saída:
- Vai uma dentadinha? Perguntei-lhe numa voz de diabrete irresistível, deixando-lhe ver os meus dentes afiados. Respondeu, estendendo-me o irrecusável pescoço, que eu mordisquei uma e outra vez, até o sentir perfeitamente extasiado. Após isso larguei-o lá, estendido no interior do seu BMW, ávido, faminto, enquanto murmurava:
- Papa-me todo, minha diabinha! Deixei-lhe apenas a promessa de que voltaria em breve e me serviria da refeição completa, mas naquele momento queria experimentar outras sensações.

Despertei para a cruel realidade, atraída por um cheiro forte a queimado! Abandonei o velho sofá em que inadvertidamente adormecera e arrastei-me, ainda ensonada, até à cozinha. Sobre o lume aceso do fogão, um panelão fumegava, deixando libertar jactos de fume escuro ... aquilo que prometia ser o almoço, estava completamente reduzido a tições!!!
Isto sim, parecia obra do verdadeiro DIABO !!!


6 comentários:

Mestre Splinter disse...

Hehehehe! Diabruras oníricas e panelas no fogo definitivamente não combinam...

Gracias por tua visitita, señorita!

Jotabê disse...

Bem, espero que não tenham sido as dentadinhas que me foste dar, a causa do almoço estorricado...

de qualquer forma, estás à vontade para me mordiscares...

obrigado pela visita e palavras elogiosas,

beijoca

Laura disse...

Ehhh tava a ver que o raio da miuda era uma bem endiabrada figura.. Vá lá que foi só um sonho, até deixaste o dono do BMW estendido no banco de trás, mau mau mau..ehhhh.. beijinhos pa ti moça..ahhhhhhhhhhhhhh

adrianna disse...

eheheh inda lá deve estar, estendido no banco traseiro do BMW, a minha espera.

africana disse...

..hahahahahah,mas a espera num BMW não é tão mau assim!Ainda por cima deitado..acaso era alentejano?

adrianna disse...

Não, nina africana. Pelos murmurios que ia deixando escapar enqto o ia mordiscando, apercebi-me que era nortenho eheheh