quinta-feira, 24 de maio de 2007

Quem se lembra?


Andava eu há dias saltitando por aí, sem rumo certo, quando tropecei nesta relíquia, despertando em mim um monte de recordações.

Foi com a ajuda dum exemplar igual a este que eu e os meus irmãos todos aprendemos a ler e a escrever. Creio que o mesmo livro serviu para todos!!!
Fiquei curiosa em rever os restantes livros da primária daquele tempo, mas é engraçado como não retive a imagem de mais nenhum ... apenas este me ficou gravado na memória.

8 comentários:

Ahlka disse...

Xiiii....Até eu 'estudei' por aí!
Não segui o ensino português, mas a minha mãe fez questão de, ela própria, transmitir as bases às suas proles...
Associo-o aos verões, por isso até me é agradável recordar :)

adrianna disse...

Afinal tb conheces? Tão giro eheheh
Hoje o Firefox não me deixou espreitar os outros 3 livros igualmente antigos, mas sei que existem por aí, só que não me dizem nadika.
Lembro-me de o ver lá por casa muitos anos depois e até sei onde ainda hoje se vende em Lisboa. Um dia destes sou capaz de o comprar eheheh

Carlos II disse...

Tenho um exemplar novinho em folha comprado na feira do livro.
Não é saudosismo mas é uma parte da nossa infância que está ali. Textos muito simples que servia a doutrina do regime, com valores que se perderam e que hoje fazem muita falta no caos existêncial dos jovens de hoje.

adrianna disse...

Exactamente, Carlos. É triste termos de reconhecer isso, mas é verdade. Em cada texto, extraíamos uma grande lição que continua actual.
Podia ter a função de manter o povo "adormecido", mas continham princípios que não faziam mal a ninguém que os seguisse. Como dizes, hoje fariam muita falta!
É uma pena que não seja possível juntar "filtrar" tudo, aproveitar o bem que havia antes ... juntar ao que veio depois (se é que veio eheheh) e rejeitar o que não presta em ambos os regimes ... aí, daria um mundo melhor.

Laura disse...

Eu então era uma felizarda, o rais do meu irmão mais velho usave depois era reciclado para mim, mas lembro com saudade as histórinhas que lá tinha, os versos que ainda lembro ora diz se não é de lá o O Oliveira da serra o Vento leva a flor só a mim ninguém me leva e blá blá. Lindo livro, os ninos da mocidade Portuguesa, onde tudo isso já vai.. Excelente lembrançaa nina...

Laura disse...

Um mundo melhor, meu Deus como eu sonho com isso mesmo acordada, que bem saberia olhar-mos de igual modo para todos e ajudar quem precisa para que não fosse preciso ajudar mais, e todos bem, todos vestidos, sem frio nem fome, com saúde e com muita educação, e que ensinem nas escolas o que agora não sabem ensinar ou nem querem. O respeito por todos mesmo mais pobres, e fraternidade com todos os que sofrem, e..que tudo fosse uma realidade não apenas uma utopia.. Quem dera sim, filtrar o que não presta, mas o rais do homem tem um coração empedernido e quer sempre mandar à sua maneira e assim..ficaremos eternamente a viver na ignorância dos sãos principios que fazem um verdadeiro Homem...

Jotabê disse...

o da 4ª classe já não me lembro da capa mas lembro-me que começava com o hino nacional na primeira página e o hino da mocidade portuguesa no verso dessa mesma página, se não estou enganado

recordações

:|

beijoca

Freyja disse...

a veces esas requilias traen lindos recuerdos
tienes un blog muy bonito
gracias por tus saludos en blog Luso
que estes muy bien y un lindo fin de semana


besos y sueños