terça-feira, 7 de agosto de 2007

Amor Proibido



Amor proibido.
Mexe com a essência da gente,
Com o libido.
Tudo fica mais excitante.
No encontro escondido
O coração bate forte,
O rosto cora.
Num simples toque de mão.
Não há quem suporte
A emoção da primeira vez,
É emoção de mais.
Mistura de medo e paixão
Arrependimento jamais.
Os sentimentos saltam aos olhos,
As palavras saem entrecortadas.
Parece que o mundo inteiro
Vai descobrir esse pecado.
Mas com tanto amor assim,
Com certeza seremos perdoados.

(Rafael do Nascimento Monteiro)


11 comentários:

Jotabê disse...

é mesmo assim, e depois de se ultrapassar aquelaa fronteira, de receio, por vezes de algum pudor, aí não há nada a fazer, já nada nem ninguem nos pode parar, é mesmo assim...

:)

bj

Laura disse...

fala a voz da experiência?
Mas acredito que é mesmo assim, só nos param se nos atingirem e souberem da coisa, antes de nós ehhhhhh...

Ahlka disse...

Eu acrescentaria ao proibido, o sofrido...

O Jotinha é que parece perceber 'da coisa'...

Jotabê disse...

más línguas, um gajo não pode escrever em nome da imaginação que começam logo a pensar em tons de vermelho...

não tarda muito estão a chamar-me traidor...

e olhem se querem saber, é verdade, eu sou uma pessoa normal, já vivi um amor proibido...

e fartei-me de proibir e não me arrependo como diz o poema, prontos tomem lá!!!

Laura disse...

Jotinha, deve ser bom ter um amor proibido, a gente anda decerto com o cagaço sempre à mão ehhhhh.

Ainda não me aconteceu, mas nem digo que não, quem sabe, um dia o tal daquel amor aparece e a gente...faz como todos, anda na maior e prontos...

Mas sei o que são as coisas depois do tal do amor proibido se ir embora de casa com o tal do amor que arranjou, isso sei, e garanto que nem dá vontade de fazer isso a ninguém ehhhhhh.

Mas cada um é como é, e se for feliz assim, pois então goze aquele amor que nos deve levar às estrelas e nos deve deixar a rodopiar com a própria vida..quem me dera sentir assim um amor que dê cabo de mim (alto aí refiro-me a um amor bom, maravilhoso e que me faça feliz e não que me desfaça)

Diabinha cusca disse...

Hummm eu sei do que falam aqui!
Deve ser uma sensação parecida com a que experimentava qdo era diabinha pequenita ... tínhamos um quintal cheio de laranjeiras e tangerineiras, sabem? mas dava mto mais gozo eu saltar o muro do vizinho e comer uma tangerina do Dr. Germano hummm que bem me sabia eheheheh

Adrianna disse...

É indescritível! Uma mistura de impulsos, sentimentos, receios e prazeres, todos nos seus limites!

Como se nos dividissemos em 2 partes: consciência, bom senso, maturidade, lucidez de um lado; leviandade, safadeza, libertinagem, prazer da carne do outro (eu não sei de nada ... só tenho lido muitoooo eheheheh)

Adrianna disse...

menina Ahlka,

Sim, suponho que seja uma mistura de amor proído/sofrido. Este pode ocorrer antes, durante ou depois, ou pode estar sempre latente, dependendo das circunstâncias.

Mas tb pode ser encarado como uma enfermidade, uma "dependência"! E aí a libertação é fantástica :b)

Adrianna disse...

Jotabê,

Eu só "proibí" um cadinho (nem sei bem se foi real ou se resultou da minha fértil imaginação eheheh) mas para experiência, chegou!

Assim, e seguindo o raciocino de quem "proibiu" comigo, já não morrerei burra eheheh

Adrianna disse...

Laurinha,

Não confundamos as coisas eheheheh

Ahlka disse...

Ai meu Deus, o que práqui vai...Eu não vi nada, não li nada, nem sou de cá...;)