domingo, 29 de julho de 2007

Maldição


Maldito seja o dia em que te vi,
Quando te desejei,
Quando te conheci,
Quando telefonei,
Quando saí e te encontrei,
Mesmo sabendo que era tudo um capricho da tua vaidade...


Me fiz prisioneiro de um desejo,
Escravo de uma beleza perigosa e contraditória
Que me faz gozar com um beijo,
Mas nunca traz a certeza no final da história...

Mais uma conquista barata,
Mais uma
conversa de bar,
Mais uma conserva de geladeira,
Consumida toda, inteira,
Lentamente, bem devagar...

Não gosto de pensar como teria sido sem você...
Prefiro acreditar que foi coisa do destino,
Que não havia escolha possível...


Tenho saudades de você,
Mas prefiro me manter calado,
Para outra vez te conquistar,

Por não suportar ter sido rejeitado
Por não ter mais você ao meu lado
Para ter você nas minhas mãos e depois te abandonar...

(Maurício de Lima)

13 comentários:

Laura disse...

Andamos de mundo às avessas quanto ao amor, eu quero tu não queres, depois tu vens e eu mando-te embora eheheheheeh..pró que nos dá, esta insatisfação é do maior que há...

Pascoalita disse...

Mas é tal e qual como diz o poema ... nem sempre gostamos de quem melhor nos trata ... vá-se lá saber porquê!
E aquela pontinha de raiva que nos faz desejar ... "deixa-o pousar ... eu depois dou-lhe o arroz" ahahahahah

Laura disse...

Ehhh deixa-o pousar , depois doulhe o arroz, mas que poesia ali nina, é assim mesmo...

Naeno disse...

Aqui no Brasil existiu um teatrólogo, poeta, ensaista, escritor, chamado Nelson Rodrigues, e ele em um de seus livros lançou uma frase, que por aqui se leva a risca. "Toda mulher gosta de apanhar".
O que achas de tal argumento?

Um beijo
Naeno

Arcanjo disse...

Ninguém disse que seria fácil... só assim poderemos apreciar as coisas realmente importantes e belas...

Haverá sempre um amanhã... e uma nova esperança... nunca se desiste do amor!

Grata pela visita.
Beijinhos e um bom dia :-)***

Diabinha cusca disse...

Hummm Isso aí diz-me qq coisa ...

Eu cá primeiro canto-lhes o fadinho ... depois de enfeitiçados, gosto de os trazer à rédea eheheh

RB disse...

É ficar cativo sem saber como e querer ficar nessa masmorra de amor para sempre.

Laura disse...

Olha o naeno..toda mulher gosta de apanhar, claro que as palavras não são dele, ams..homem gosta de dar mas certifica-se primeiro que não há quem devolva, porque se houvesse um protector para cada muié. desconfio que ficavam de mãos a abanar...

Naeno disse...

Muito bonito o poema.

Um beijo
Naeno

Laura disse...

primeiro apanhas e depois o poema ehhhhh, naeno naeno e que tal uma guitarra enfiada pla cabeça abaixo quando se bate numa muié? ehhh tou no gozo, não façaz como uma suposta folha que andou aqui (andou andou..e eu nem a vi) e desapareceu envergonhada, estou na brincadeira e ainda por cima em casa alheia..ehhh mas tinha graça, homem que toca se bater na muié leva com a viola enfiada pla cabeça abaixo...

Carlos II disse...

Bom, essas coisas existem só para chatear. O amor, bem, o amor é essencial. O desejo faz "mossa".

Sandokan disse...

Essa de asbandonar a mulher - no final do poema - cheira a vingança. É por isso que esse estado de alma não conduz a lado nehum.
Ai que dor que o homem tem? +E dor de quê?

Adrianna disse...

Dor diksso msm, Sandokan eheheheh
E as mulheres por vezes tb sentem :)*